Cotidiano

Jovem é 'carimbado' com 22 de Bolsonaro após ser desafiado

Um rapaz, de 17 anos, decidiu "tatuar" o 22 nas costas com ferro em brasa. O jovem fez isso após ser desafiado pelos amigos de esquerda

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
As imagens foram divulgadas e deram o que falar
fonte: RD News
As imagens foram divulgadas e deram o que falar

Um jovem, de 17 anos, se sentiu desafiado pelos amigos de esquerda e decidiu "tatuar" o 22 nas costas, que é o número da legenda do atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL). O caso foi registrado em Mirassol D' Oeste, em Mato Grosso. 

continua após publicidade

Para "carimbar" o número em seu corpo, o rapaz usou ferro em brasa durante um leilão de gado. A técnica é utilizada para marcar bois em fazendas.

A mãe do rapaz, de 36 anos, concedeu uma entrevista à imprensa local. De acordo com ela, a marca foi feita no dia 12 de junho.

continua após publicidade

A mulher também explicou que o filho integrava a equipe de manejo de gado do leilão, que era em prol do Hospital do Câncer de Barretos, localizado em São Paulo. "Meu filho tem um grupo de amigos de esquerda e ele se sentiu desafiado. E, como é um menino bem rústico e corajoso, pediu para um menino carimba-lo. Um não aceitou, mas o outro sim e fez a marca", disse a mulher ao RD News.

Segundo a mãe, durante a festa, os meninos a chamaram, contaram a "surpresa" e mostram a marca 22. "Quando vi levei um susto. Mas não tive muito o que fazer. Já estava feito, não tinha como tirar. Depois do leilão, levamos ele ao médico, foi medicado e está cicatrizando. Mas, tirei foto e mandei para uma colega que acabou compartilhando e viralizou", conta. 

A mãe destaca ainda que depois da imagem viralizar a família vê a chance do filho realizar o sonho de conhecer o presidente. "Ele é apaixonado pelo Bolsonaro. E por isso fez. Mas, agora a ferida já está cicatrizando, um pouco dolorosa. Mas está bem. Não briguei, porque ele é um bom menino. No momento lá, falei e e daqui a 4 anos? Não sabemos o quem vem por ai. Vai que não é mais o Bolsonaro ou se ele mudar de partido? Mas brigar não. Já está feito", disse. 

Com informações do RD News

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News