Apucarana

Procura por testes de covid-19 provoca filas em Apucarana

Segundo profissionais da área, já começam a faltar testes e reagentes na cidade.

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A explosão dos casos de covid-19 criou uma corrida em busca de testes para detectar a doença. Em Apucarana, filas se formam em frente a farmácias e laboratórios em busca de um diagnóstico. A grande demanda preocupa os profissionais da área, já que começam a faltar testes e reagentes na cidade.

continua após publicidade

Jordana Giordani Lima, atendente em numa farmácia de Apucarana classifica como 'absurdo' o aumento pela procura dos testes, principalmente após o ano novo.

"Esse aumento começou logo após as festas de final de ano, pessoal viajou muito, se aglomerou muito e ocorreu esse 'boom' de casos positivos. Estamos realizando em média de 180 a 190 diários testes por dia, o que preocupa é que tivemos dias de dar dois terços de positivo, mas geralmente, nunca é menos da metade. O dia todo, realizamos teste atrás de teste, está uma loucura, o telefone tocando o tempo todo a procura de informações", revelou.

continua após publicidade

A atendente de farmácia explica que muitas pessoas fazem o teste por fazer, ou seja, não respeitam os períodos certos de contato com o vírus para ter um diagnóstico confiável. Isso, além de gerar muitos resultados falsos negativos, também contribui para que os testes sumam das prateleiras, prejudicando quem realmente precisa.

"É importante fazer o pessoal entender que tem que ter a janela correta (de manifestação do vírus), senão o teste não vai reagir da forma correta, tem que ter 72 horas a partir dos primeiros sintomas ou 5 dias após o primeiro contato com alguém que testou positivo, senão não adianta fazer o teste. Nós tivemos falta de teste na cidade, e as pessoas ainda não estão tendo consciência de que precisam respeitar essa janela de contaminação para testar de forma correta e atender a população que realmente está doente", informou a profissional.

Nos laboratórios a demanda também é alta. De acordo com Danilo Bueno, diretor em um laboratório de Apucarana, chegou a faltar reagente para realizar alguns exames por conta do grande número de testes realizados diariamente. 

continua após publicidade

"A procura aumentou significativamente, exageradamente, tanto que nós já estamos sem reagente para o antígeno, conseguimos fazer a importação, e agora estamos com medo de ficar sem reagente para o PCR. Devemos receber agora mais uma leva do reagente do teste rápido, mas a preocupação é o material faltar", disse.

Ele conta que a alta demanda fez com os preços também aumentassem. O teste rápido hoje custa 150 reais enquanto o PCR não sai por menos de 250 reais. 

Bueno orienta ainda a respeito da importância de realizar um acompanhamento médico.

"Muita gente está procurando teste sem ir no médico, e acaba não fazendo o tratamento correto, o H3N2 acaba mascarando os sintomas também, por isso é tão importante fazer o acompanhamento médico", finalizou.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News