Paraná

Acusado de matar jovem em Maringá é condenado a 19 anos de prisão

A garota de 15 anos foi morta com um tiro na cabeça ao passar por uma área próxima de onde ocorria uma festa clandestina

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
O julgamento de Luiz Gustavo foi realizado nessa terça, no Fórum de Maringá
fonte: Victor Ramalho/CBN Maringá
O julgamento de Luiz Gustavo foi realizado nessa terça, no Fórum de Maringá

O crime ocorreu no dia 8 de novembro de 2020. A adolescente Ingrid Vitória Julio Regina, que na época tinha 15 anos, estava em um bairro próximo ao aeroporto da Maringá, na PR-317, conhecido por “Fim do Mundo”. Próximo ao local, havia uma grande concentração de carros onde, segundo testemunhas, era realizada uma festa clandestina, que reuniu aproximadamente 500 pessoas.

continua após publicidade

Segunda a família, Ingrid estava no sítio do avô e foi caminhar com parentes pelas redondezas quando encontrou uma amiga e parou para conversar. Neste momento, um homem chegou atirando. O alvo era alguém que estava na festa, mas Ingrid foi atingida com dois tiros na cabeça. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O homem apontado como autor dos disparos é Luiz Gustavo Xavier. Ele foi identificado e teve a prisão temporária decretada dias depois. Na época, ele chegou a se apresentar na delegacia com um advogado, mas não ficou preso porque, por ser período eleitoral, nenhum eleitor pode ser preso nos cinco dias que antecedem a eleição a não ser em flagrante. E o flagrante, neste caso, já havia passado.

continua após publicidade

O julgamento de Luiz Gustavo foi realizado nessa terça-feira, 5, no Fórum de Maringá. Em cerca de 9 horas de julgamento, foram ouvidas várias testemunhas. Ao final, o júri popular votou por uma condenação de 19 anos e 4 meses de reclusão em regime fechado. Foram 6 anos de pena pela tentativa de homicídio contra o rapaz que o acusado tentou matar, além de 13 anos e 4 meses pela morte de Ingrid.

De acordo com o Promotor de Justiça responsável pelo caso, Júlio César Silva, a pena está dentro do que era esperado pelo Ministério Público. Durante o julgamento, Luiz Gustavo não confessou o crime. Ela nega ser o autor dos disparos. Segundo a advogada de defesa dele, Eliana Javorski, a defesa irá recorrer da sentença.

Com informações do GMC Online.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News